.

dramas
Um pouco de drama
musicas
Um pouco de musica
novidades
E outras novidades

16 de ago de 2015

Analise: Flores do oriente


Hello peoples, Como passaram a semana?

Andei pesquisando um pouco sobre o cinema chinês, eis que me indicaram esse movie, 'As flores do oriente, e simplesmente amei esse filme.

Bem tentei baixar ele pelo dramas épicos  mas infelizmente o mega não cooperou, consegui achar ele dublado por torrent, mas não lembro onde,em fim vamos a analise.

As prostitutas entrando na igreja.

Sinopse: Em 1937, Nanquim encontra-se na frente de batalha entre China e Japão. Enquanto o exército imperial japonês invade a capital da China, os habitantes desesperados procuram refúgio atrás dos muros de uma catedral ocidental. Ali, John Miller (Christian Bale), um americano preso no meio do caos da batalha e da ocupação que se segue abriga-se, seguido por um grupo de estudantes inocentes e treze prostitutas, igualmente determinadas a fugir dos horrores que ocorrem do lado de fora da catedral. Lutando para sobreviver à violência e perseguição do exército japonês, um ato de heroísmo acaba levando um grupo aparentemente discrepante, a arriscar suas vidas pelo bem de todos.

Analise: (contém spoilers) O que dizer desse filme que conheci a pouco tempos mas já considero pakas , ou melhor que conheci a pouco tempo e já me deixou sem dormir, sim tive um pequeno inconveniente com ele, as cenas foram um pouco fortes pra mim, porém ainda sim amei ele.
O filme de descreve como baseado em fatos reais, pesquisei um pouco mas ao que me parece , apenas o pano de fundo é real e a história é baseada em um romance de Geling Yan, 'As Treze Mulheres de Nanjing', o roteiro reconta o Massacre de Nanquim, quando milhares de mulheres foram estupradas e mortas pelas tropas japonesas que invadiram a cidade em 1937.
O filme se passa durante uma grande atrocidade que aconteceu durante a guerra. Em 1937, o Japão invadiu a cidade de Nanquim, que era então a capital da China imperial. A invasão culminou em uma série de ataques, saques e assassinatos a civis, com números que podem chegar até a 300 mil mortos. Foram localizados 155 mil corpos, mas estes números não contam os queimados ou jogados nos rios. Pra piorar, os soldados japoneses caçavam mulheres e adolescentes para realizar estupros coletivos. Não é incomum que civis morram no curso da guerra, mas esse tipo de atrocidade vai muito além de ser um crime de guerra. A história é tão vergonhosa, que o governo japonês proíbe que ela seja ensinada nos colégios. 
Fonte: resenha de filme
Esse filme me fez pensar em uma questão, por que não estudamos esse massacre na escola? talvez eu que não me lembre, ou não tenha estudado o suficiente, mas dos livros de história me lembro da bomba de Hiroshima, mas nada do massacre de nanquim, creio que esse seja o único filme que vi sobre o assunto, mas é estranho como há tantos filmes sobre o holocausto por exemplo, mas é raro encontrar filmes sobre tal atrocidade.

Foco nessa mulher porque acho ela linda e a minha personagem preferida

John Miller (Christian Bale). No meio de tiroteios e explosões, ele chega para enterrar o padre de uma igreja católica, que teoricamente é um terreno neutro na guerra. Como na escola se encontram apenas crianças, incluindo um menino que ajudava o padre e as meninas estudantes, Miller resolve ficar por lá bebendo Whisky e dormindo em uma cama. Depois de sua chegada, se escondem ainda um grupo de prostitutas em  uma espécie de porão secreto debaixo do altar.
Uma questão que foi difícil de entender foi o porque do john , ter ficado na guerra, ao que dá pra entender, ele vem para enterrar o padre antes da guerra estourar, então fica preso na cidade, mas não entendi o porque de escolherem logo um ocidental para enterrar o padre, mas isso creio ser irrelevante. Outras questões intrigantes, em primeiro é quando 2 das prostitutas fogem em meio a guerra apenas para ir atrás de um  par de brincos e cordas para um instrumento, creio que tal ato possa estar relacionado a futilidade dos personagens, mas não entendi ao certo, e o foco apenas nas garotas presas naquela igreja, sendo que fora dos muros da igreja há varias mulheres sendo abusadas e os campos que mantiveram mulheres para serem abusadas sendo em sua maioria mulheres chinesas e coreanas.
Jovens do colégio

Algo que me deixou bastante surpreendida com o filme foi os "heróis" , esperava como sempre o cara branco ocidental salvando a todos e se tornando o herói do dia, porém não foi o que aconteceu, ele estava ali para ajudar as mulheres, e ajudou, mas não foi o herói, e não as salvou, elas mesmo se salvaram, o filme tratou de mostrar mais a força das "frágeis mulheres", e uma salva de palmas para as prostitutas , que também evoluem ao decorrer do filme e na minha opinião se tornam os maiores heróis do mesmo.

A relação das meninas com as prostitutas são turbulentas no inicio, sendo que as garotas acham que as prostitutas são tão sem  valor a ponto de não deixa-las usar o banheiro, mas as meninas não sabem o que elas fazem para viver, creio que se torna um preconceito colocado na cabeças das meninas , que no fim as veem com outros olhos
O filme é narrado por essa garotinha.

A cinematografia me surpreendeu, simplesmente incrível da foco a pequenos detalhes como vidros fragmentados, as cordas de um instrumento, toques entre outros, a que mais me apaixonei foi no momento em que as duas prostitutas fogem dos soldados , uma é baleada e a outra foge, porém ao invés de focarem na menina fugindo focam no corpo da outra que com seus últimos esforços tenta segurar a perna de um soldado, e quando a câmera volta a seguir os soldados, a câmera perde a garota juntamente com os soldados, achei isso incrível.

Nota:9,1 

Bem indico esse filme pra quem tem um coração forte pois as cenas de abuso são fortes. faltou um pouco da história do john, mas no fim parece que ele não é o personagem central da história, já que a mesma é narrada por uma das jovens do convento, e também muito foco nas prostitutas, então profundidade da história dele não alteraria o rumo da história.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

OPS! Não saia sem comentar.